24 de março de 2016

A morte de Jesus foi resultado de uma trama político-religiosa


fotos de jesus (5)
Por Ubiraci Moraes
Parece  razoável pensar que, do ponto de vista histórico, a morte de Jesus foi resultado de uma trama político-religiosa. Suas atividades sempre foram contestadas e motivo de apreensão por parte da classe dominante de sua época, que via seu poder ameaçado. O evangelista São Marcos deixa isso bem claro ao afirmar, após uma atividade pública de Jesus,  a reação dos seus opositores: “Os fariseus saíram imediatamente e deliberaram com os herodianos como acabar com ele” (Mc 3,6). Essa oposição é compreensível porque o ideário que guiava o projeto libertador de Jesus ia de encontro aos opressores, pois ele afirmava que


O Espírito do Senhor está sobre mim, porque  ele me ungiu para que dê a boa notícia aos pobres;enviou-me a anunciar a liberdade aos cativos e a visão aos cegos, para por em liberdade os oprimidos, para proclamar  o ano de graça do Senhor (Lc 4, 18-19).


Além disso, fazia duras críticas aos líderes religiosos:


Cuidado com os letrados. Gostam de passear com largas túnicas, que os saúdem pela rua, dos primeiros assentos nas sinagogas e dos melhores lugares nos banquetes. Com pretexto de longas orações, devoram as propriedades das viúvas. Receberão sentença mais severa (Mc 12,38-40)


O Cântico da Virgem Maria também é bastante revelador quando diz: ”(...) Derruba do trono os potentados e exalta os humildes: cumula de bens os famintos e despede vazios os ricos” (Lc1,52-53).


Observa-se, desse modo, que Jesus lutava contra a opressão sofrida pelo seu povo tanto pela classe política, representada pelos partidários de Herodes, os herodianos, quanto pela classe religiosa, os fariseus. Esse sistema voltou-se contra ele e o condenou à pena de morte: morte na cruz.


Mas o seu ideal de luta contra a opressão, contra os tiranos, não morreu, continua vivo nos movimentos sociais, nos sindicatos e associações e nas igrejas que lutam pelos direitos dos trabalhadores e dos pobres; está presente naquele que se coloca em defesa dos marginalizados e dos que são vítimas de toda espécie de preconceito.


Ubiraci Moraes é agente de saúde e professor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nunca diga para os outros, aquilo que não gostaria de ouvir