1 de outubro de 2016

ACM Neto é favorito mas Alice pode surpreender

Eleições 2016
Neto vai hastear a bandeira de Salvador; Alice participará do Grito dos Excluídos - Foto: Joá Souza l Ag. A TARDE l 17.12.2014 e Margarida Neide l Ag. A TARDE l 22.8.2016


O resultado das urnas que será conhecido na noite desse domingo, 2, responderá a pergunta de quem perdeu e quem ganhou com uma das maiores crises político-econômicas da história do Brasil, desfechada em agosto com o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o enfraquecimento do PT e ascensão do grupo político do presidente Michel Temer.

Em Salvador, os eleitores vão avaliar não só a primeira gestão do prefeito ACM Neto (DEM), que busca a reeleição, como a continuação do projeto petista personificado na candidata Alice Portugal (PCdoB) apoiada pelo governador Rui Costa (PT).
As pesquisas de intenção de votos deram ampla vantagem a Neto ao longo da campanha. O demista focou a discussão municipal nos seus programas de rádio e televisão, apesar de apoiar o governo Temer.

Alice procurou nacionalizar o debate. Tentou colar a pecha de "golpista" no prefeito, associando-o ao grupo que tocou o processo de afastamento de Dilma no Congresso. E, mesmo com o desgaste do PT - com a rejeição do governo Dilma, o indiciamento do ex-presidente Lula na Operação Lava Jato e a rotina de prisões de dirigentes e ex-ministros de governos petistas - usou as imagens das lideranças nacionais ostensivamente em sua campanha.

A caminhada, seguida de comício de Dilma, reuniu cerca de 80 mil pessoas no centro de Salvador em favor da candidatura de Alice, cujos estrategistas dispunham de pesquisas indicando que Dilma e Lula ainda têm popularidade em Salvador e o presidente Temer, grande rejeição. As urnas dirão se acertou no tom.
Os eleitores também responderão se foi correta a estratégia do governador Rui Costa de lançar três candidaturas no primeiro turno (além de Alice, Pastor Isidório do PDT e Cláudio Silva do PP) para tentar pulverizar os votos e levar a eleição para o segundo turno.
As sondagens de intenção de voto mostraram que a pulverização não funcionou pelo grande percentual de votos consolidados no candidato ACM Neto. Na pesquisa espontânea, quando os candidatos não são citados, o prefeito ficou na faixa dos 60%/65%, abrindo distância confortável para os adversários.

Isso foi confirmado pela pesquisa Babesp (conhecido como DataNilo)/Bahianotícias, divulgada sexta, onde Neto marcou 66,7% de intenções de votos e Alice 9,9%. A soma dos adversários do prefeito chegou a parcos 20%, insuficientes para levar a decisão ao segundo turno.

Pesquisas
Pesquisas têm errado na Bahia nas eleições passadas de governador. É famoso o levantamento do Ibope da eleição de 2006 que dava a vitória de Paulo Souto no primeiro turno. Quem ganhou foi Jaques Wagner no primeiro turno. No pleito de 2014, Souto também estava na frente e Rui venceu também no primeiro turno.

Ocorre que uma sondagem em Salvador tem mais probabilidade de parecer com o resultado das urnas por ser um ambiente mais homogêneo, diferentemente de uma aferição num estado grande como a Bahia, com regiões de populações bem diferentes.

Mesmo assim, o Ibope também errou na última pesquisa do primeiro turno, publicada na véspera da eleição de prefeito em Salvador, em 2012. Considerando apenas os votos válidos indicou que Nelson Pelegrino (PT) fecharia o primeiro turno com 43%  e  ACM Neto (DEM) com 37%.
As urnas indicaram o contrário, Neto ficou com 40% dos votos válidos e Pelegrino 39%. Os dois foram para o 2º turno e Neto venceu com 53% por 46% de Pelegrino. Por essa razão recomenda-se colocar as barbas de molho.

Cenário
Ocorre que o cenário é favorável a ACM Neto na maioria dos quesitos. Tem a gestão aprovada pela maioria da população, foi o candidato que recebeu mais recursos, sabe usar muito bem as redes sociais para divulgar suas realizações de governo e os eventos de campanha e surfa numa certa onda que o projeta como candidato a governador em 2018, tendo sido requisitado a comparecer a vários municípios do interior para ajudar aliados locais.

A candidatura de Alice enfrentou problemas desde o início. Rui preferia que a candidata fosse Olívia Santana, secretária estadual e militante do movimento negro. Foi convencido que a candidata deveria ser mesmo Alice, mas o processo demorou muito.

Também teve dificuldades para captar recursos. A candidatura sofre ainda com o desgaste do aliado PT que, pelas pesquisas só deve eleger o prefeito de uma capital. A verificar o que as urnas reservam para o PT na Bahia e no Brasil.
A tarde oline

Um comentário:

Nunca diga para os outros, aquilo que não gostaria de ouvir